→ Perguntas Que Deves Fazer Antes de Se Comprometer Com Seu Parceiro

Se comprometer em relacionamento é uma das decisões mais importantes da vida. Se casar, uma das responsabilidades que pesam sobre os seres humanos e hoje em dia vemos com freqüência que os casamentos duram pouco.

Especialistas e psicólogos têm tratado o tema e determinaram que para escolher a pessoa que vai nos acompanhar pelo resto de nossos dias é necessário fazer várias perguntas relacionadas com o ambiente familiar, personalidade e comportamento.

PERGUNTAS A SEREM FEITAS ANTES DE SE RELACIONAR COM ALGUÉM

  • Você gosta dele fisicamente?

É indispensável que nos atraia fisicamente.

  • Você gosta do cheiro dele?

Embora este ponto parece não ser importante, o aroma do casal atrai ou afasta. Indispensável que seja cuidadoso com a higiene, que cheire bem quando acordar, ao nosso lado, que lave bem os dentes e tome banho todos os dias.

  • Você é econômico ou gastador?

Ninguém está dizendo que em um relacionamento o único que deve gastar é o homem e a mulher jamais deve. A ideia é que ambos estejam dispostos a colaborar economicamente quando necessário. É importante que não se fale de “dinheiro” ou “o meu dinheiro”, o ideal é que se construa um patrimônio. Você está disposta a construir um patrimônio?

  • Você é detalhista?

Um detalhe não implica necessariamente gastar uma fortuna em presentes. Um detalhe pode ser uma flor ou um simples chocolate. Ser detalhista com o parceiro pode ser um dos pontos de maior relevância para injetar entusiasmo para a relação.

  • Você sente aquele friosinho na barriga quando estão próximos?

Óbvio quando um relacionamento está começando ambos sentem emoção na hora de se ver ou se falar, situação que se vai transformando com o passar do tempo. Se com o passar dos meses e dos anos, já não se sentem esse “frio na barriga”, algo não está bem.

  • Você traz algo de novo?

Quando se decide iniciar um relacionamento procure uma pessoa que o complemente, em todos os sentidos. Que traga algo de interessante para sua vida é vital, seja no âmbito profissional ou pessoal.

  • Você é empreendedor ou empresário?

Se cumpre sempre com o que tem e não busca saídas diferentes para melhorar suas condições de vida não serve. Em contrapartida, se os dois estão sempre procurando a forma de sair à frente para conseguir, não só um bem-estar próprio, mas também o de seu parceiro, podem alcançar grandes objetivos.

  • Você é companheira para todas horas?

O casal deve estar nas boas e nas más, esta frase clichê, para muitos, é composto em grande parte de uma relação. De nada nos serve, que quando precisamos de um casal, esta não apareça por nenhum lado, ou que, pelo contrário, não nos forneça a atenção ou ajuda que realmente é necessário em momentos de crise.

  • Você tem algum vício?

Conviver com uma pessoa que seja dependente de algo em específico: substância alucinógena, álcool ou jogo, pode ser muito desgastante para a relação, pois as emoções das pessoas que têm algum vício variam o tempo todo e o tratamento entre ambos poderia se converter em uma montanha-russa de sentimentos e sensações que vão acabar com a paciência de qualquer um dos dois.

  • 10. Como é sua relação com a família do parceiro?

Mesmo que você não vai se casar com a família, esta sim, gera bastante influência no casal, especialmente se você é muito familiar. Que você possa levar um tratamento ameno e cordial com os pais do parceiro é um ponto a teu favor que você pode fazer com que seu relacionamento dure para sempre. Lembre-se que são muitos os eventos que coincide entre as famílias, os desafetos vão lhe trazer problemas.

  • 11. Você gosta dos amigos do seu parceiro?

O ambiente em que se move o seu parceiro é muito importante para que o amor dure. Apesar de que cada um deve ter seus espaços, em vários momentos da relação coincide encontros com seus amigos. Se as pessoas com as que mais frequenta o seu parceiro não lhe caem bem, esse pode ser um ponto de tensão e um gerador de discussão que pode acabar com qualquer relacionamento, pois em quase todos os casos, a resposta seria: “primeiro, conheça amigos do parceiro”.

  • 12. Você Trata bem as pessoas?

Se vão a um restaurante e ele fala mal do garçom, se nunca cumprimenta as pessoas de forma educada, não se embarque nessa relação porque no futuro pode lhe trazer dores de cabeça.

  • 13. Você gosta de como ele se veste?

O amor entra pelos olhos. Se você gosta dele para ser um bom par para um encontro romântico é um indício de que está sempre tentando conquistar você e chamar sua atenção e levem anos de relacionamento.

  • 14. Você gosta dos costumes dele e da familia?

Se depois de casados seu companheiro se mostra como é, muitas das práticas que são originais de sua família. Se ele é bom filho, bom irmão, bom neto, isso lhe dará algumas pistas para saber como ele poderia agir quando forme uma família contigo.

  • 15. O medo do compromisso?

Se está a passar, dizendo a cada vez que tem a oportunidade, que não quer ter filhos e que não quer se casar nunca é melhor que corra tão rápido quanto você pode, se você não compartilha os mesmos objetivos nesse sentido estão caminhando por trilhas diferentes e você pode estar perdendo o tempo ao seu lado.

  • 16. Você se surpreende de vez em quando?

A magia é composta dos momentos agradáveis da vida. Se o seu parceiro é uma das que te surpreende, sem que tu espere, não a deixe ir.

  • 17. Você é viciado em trabalho?

Que seu parceiro seja trabalhador é uma fortuna, mas se for preso com o trabalho pode se transformar em uma tortura, pois sempre terá como prioridade as obrigações trabalhistas e muito provavelmente não o seu relacionamento, e em um futuro de sua família, passam a um segundo plano.

→ 18 Coisas Que os Homens Pensam e Não Falam no Relacionamento

Embora os homens não gostam de falar de seus sentimentos e de suas necessidades íntimas isso não significa que elas não existam. O problema é que sofrem silenciosamente quando suas necessidades emocionais não estão sendo cumpridas por seus pares. Algumas das atitudes que ele espera de sua parceira:

AS 18 ATITUDES E COISAS QUE OS HOMENS PENSAM E NÃO FALAM

  • Ser elogiados

Os homens gostam do seu apelo, sua carreira, seu potencial sexual, a sua eficácia como casal e como pais, se têm filhos. Como você diz o que é bom? O olhar com olhos de admiração? Você já disse a ele que está louca por ele na cama?

  • Respeito

Se ele sente que não está de acordo com ele, sua carreira, ou as coisas que ele considera importantes em sua vida, será difícil para ele confiar em você e amar você. Acha que, se não o respeita por quem é, no mais profundo, então como podes querer o melhor para ele.

  • Te ama, mas não anda dizendo

Às vezes é por falta de jeito ou porque lhe faltam as palavras, gosta de pensar que não dúvidas de seu amor. Ele te quer. Aprenda a entende-lo em todos os seus gestos e em seus silêncios. Não exijas que te diga todos os dias o quanto você quer.

  • Toma a iniciativa

É um líder por essência, mas isso não quer dizer que não goste de levar a iniciativa. Ouse surpreender e desperta o lado mais sensual, você vai ver que ele vai adorar. Quando você é explícita e enviar mensagens fortes, fazendo ele imaginar tudo o que ele espera pela noite, ele gosta muito. Pode ser que você não o faça saber, mas agradece muito esse tipo de detalhes. Na cama, o cara gosta de descrever o que você gosta. Desfrutará muito se ele te guiar até fazer você alcançar o máximo de prazer. Assim, sentirá que o faz bem e a sua segurança será reforçada.

  • Também é sensível

Os homens aprendem a evitar a aparência de fracos a qualquer custo. A fraqueza deles inclui queixar-se, falar de medos ou preocupações e expressar desconfiança de si mesmo, ou ansiedade. Mas ele se dá a confiança, vai cair e isso é bom para que se mantenha perto de você emocionalmente. Apoie e não rejeite o choro dele, também são sensíveis e não suportará se não levaras a sério, para ele os seus sentimentos não são uma piada.

  • Não são dependentes

No entanto, valorizará se ele sentir você mais perto dele.

Exemplo: Você gosta, mesmo que não o reconheça, que vê um jogo colada a ele no sofá ou passar um dia com ele praticando esporte.

  • Contato sexual frequente

 

Além de gostar de ter intimidade frequente com você, se você tocar em seu pescoço e cabelo carinhosamente, se sentir amado como se tivesse tido relações. Este contato é interpretado como o amor físico e sentir que o ama, que você quer que ela seja feliz, que você está ali para ele e que lhe liga muito.

  • Eles olham sim pela beleza

Os homens gostam que sua garota seja bonita. Nem muito magra, nem muito gorda e maquiada naturalmente. Que se sinta bem consigo mesma e não preocupada o tempo todo com o peso e as calorias dos produtos, que desfrute com ele a vida. 

  • Dúvida de si mesmo

Nunca o reconhecerá, mas seu parceiro, às vezes, duvida de si mesmo. Às vezes acorda no meio da noite tentando resolver problemas em sua cabeça. Nesses momentos de ansiedade, o que mais ajuda são os seus ânimos. Precisa de que você esteja ao lado dele e que apoie em sua decisões.

  • Que você tenha uma vida própria

Os homens querem ter seus próprios amigos, atividades e paixões. Gostam de ser parte de seus interesses, mas você deve ter a sua própria identidade. Se ele tem a sua própria vida, você vai sentir que está te deixando de lado, e não é bem assim. Cada um deve ter seu espaço e os seus próprios projetos.

  • Entre em contato diariamente

Deve ser direta e discreta.Os homens a comunicação não é sua especialidade. Precisam de um guia. Os homens tendem a falar a partir da lógica, as mulheres desde o emocional. Muitas mulheres não dizem a seu homem, como se sentem, porque não querem armar conflitos. A verdade é que quando não se expressam, os deixam na penumbra.

  • Segurança

Mas a segurança vai além do fato de que não o deixará. Ele se sente seguro quando sabe que aprova a ele suas atividades, corrida.. Ele se sente seguro e amado quando você faz contato com ele de forma não sexual durante o dia. Você Se sente seguro quando você permite que passe o tempo com seus amigos sem você e não sente a necessidade de chamá-lo ou enviar-lhe uma mensagem de texto a cada meia hora.

  • Sentir-se amado

Precisamente por suas dúvidas, e não dá por sentado teu amor, embora, por vezes, te fazer acreditar o contrário. Precisa que lhe agradeças suas palavras doces, seus sorrisos cúmplices, etc. Também gosta que venha a compartilhar a sua alegria por ver como você se ocupa de ti. Gosta de carícias, mimos, atenção e gestos de ternura. Sua mão apoiada em seu braço lhe dá tranquilidade e o toque de seus dedos delicados jogando sobre a sua pele vai fazer com que se estremeça.

  • Sorri

Soltar uma risada espontânea por algo que disse, é um enorme incentivo para ele. Sente-Se orgulhoso de si mesmo e feliz. De fato, gosta de rir contigo. Gosta que tenha humor, que sempre encontre respostas para tudo e que sabe rir de si mesma.

  • Gosta que as mulheres olhem

Isso é algo que nunca vai admitir, mas você deve saber que é normal para eles. No entanto, também quer ver em seus olhos que ainda lhe deseja.

  • Quer relaxar no fim de semana

Para ele, um fim-de-semana é para descansar, não fazer as tarefas domésticas e ir às compras. Descansar significa não fazer nada.

  • Não se assusta com as discussões

De fato, discute com ele sobre os temas que você gosta e você vai ver que não se cala. Mas cuidado, não gosta de analisar fatos passados, nem dar tantas voltas às coisas ou medi-lo todo. Não hesite em contar seu dia, mas não lhe conte detalhes, não lhe interessam.

  • Não quer mudar

A menos que A alteração seja por sua própria vontade. Se, pelo contrário, és tu quem o encoraja a fazê-lo, corre o risco de se colocar na defensiva. Tenha em conta que se sente que já não gosta de você por completo, pode ser duro para ele.
Protetor

→ Os 4 Comportamentos Que Destroem Uma Relação de Casal

O psicólogo John Gottman, um dos principais pesquisadores sobre o casamento e as relações de casal, afirma que é capaz de prever o divórcio com mais de 90% de precisão, com apenas observar a interação de um casal durante alguns minutos.

Mas esta habilidade não é mera intuição, mas o resultado de uma grande quantidade de pesquisas desenvolvidas durante duas décadas que nos levaram a identificar o que ele chama de os quatro cavaleiros do apocalipse das relações: crítica, desprezo, defensiva e descontrole emocional.

“Descobrimos que podíamos prever com uma precisão maior a 90%, o que iria acontecer com uma relação nos três anos seguintes, ao examinar a psicologia e a conduta de um casal durante uma conversa sobre um assunto em que não estavam de acordo e entrevista-los sobre seu passado. Em casais que durou, a taxa de afirmações positivas contra negativas durante uma conversa perturbadora foi de 5 para 1. Nas relações que terminaram, a taxa foi de cerca de 1 para 1”.

Em suas pesquisas encontrou também que há pessoas que são especialmente boas para manter relações. Trata-Se de pessoas que buscam coisas para apreciar, vendo o que há de bom nos outros, enquanto as pessoas que são especialmente desastrosas em suas relações fazem tudo ao contrário, focando os erros e defeitos do seu parceiro.

Claro, as críticas ou ficar na defensiva é algo que pode acontecer em qualquer casal. A diferença é que as pessoas que sabem se relacionar bem se dão conta de que algo caminha mal e tratam de repará-lo. Mas o mais importante não é se alguém tenta reparar um dano, mas que a outra pessoa aceite essa tentativa de reparação, ou, pelo contrário, reage liberando um dos quatro cavaleiros contra seu parceiro.

OS 4 COMPORTAMENTOS

Horizontal image of a couple pointing a finger on each other
  • Críticas.

Há que ter em conta que criticar seu parceiro não é o mesmo que expressar uma queixa ou fazer uma crítica de um determinado comportamento ou situação. No primeiro caso, você está atacando a seu parceiro como pessoa, enquanto que no segundo você está dirigindo em direção a uma conduta ou fato específico. Ou seja, não é o mesmo que dizer para o seu parceiro: “me incomoda quando você faz tal coisa, porque me faz sentir mal”, que dizer “você é um egoísta por fazer isso”. Igualmente, não é o mesmo que dizer: “eu me preocupei quando vi que não aparecia e não me chamasse. Eu pensei que estávamos de acordo em que nós chamaríamos em um caso assim”, quer dizer: “você é um egoísta, não pensa em como os outros podem se sentir, como não se importa”. Por isso, é bom expressar as suas queixas ou críticas, mas sempre de um modo que não represente um ataque ao seu parceiro como pessoa.

Quando as críticas destrutivas se dão com freqüência, fazem com que seja mais fácil o aparecimento dos outros três comportamentos destruidores de relacionamentos, porque fazem com que a outra pessoa se sinta atacada, rejeitada e ferida, e podem levar o casal a cair em uma rotina em que as críticas ocorrem cada vez com mais frequência.

  • Desprezo.

O desprezo é uma das condutas mais destrutivas em uma relação. Você pode ver, as provocações, os comentários para ridicularizar a outra pessoa, ou fazer com que se sinta estúpido ou inferior, os insultos, as imitações em forma de burla, os comentários que transmitem a ideia de que você é superior a seu parceiro ou certos gestos que indicam rejeição, como desviar o olhar com desprezo. Na verdade, não é preciso dizer mais nada para transmitir desprezo para o seu parceiro, pode ser suficiente uma simples olhada.

Em suas investigações, Gottman encontrou também que os casais que se tratam com desprezo entre eles têm mais probabilidades de sofrer de doenças infecciosas, como resfriados ou gripes, pois seu sistema imunológico é mais fraco. O desprezo é o principal predador de separação em um casal.

  • Defensiva.

A defensiva consiste em procurar desculpas e não aceitar a responsabilidade de nossa conduta. As desculpas transmitem a outra pessoa, a mensagem de que não levas a sério, tentando fazer com que cria algo que não é verdade. Por exemplo, quando não se faz uma tarefa que lhe cabia fazer, as reações de um modo defensivo dizendo que você teve muito trabalho durante toda a semana ou até mesmo tenta dar a volta à situação e fingir que é seu parceiro quem é a culpa: “eu não poderia fazê-lo porque tenho tido muito trabalho. Você poderia ter feito, pois sabe perfeitamente que eu tenho muito trabalho esses dias”. Uma resposta mais adequada poderia ter sido: “você tem razão, desculpe, teria que ter dito que eu seria impossível fazer, e perguntar se você pode fazer, mas eu esqueci por completo”.

A pessoa que está na defensiva não reconhece a sua parte de culpa, nem pede perdão, mas que trata de culpar a outra pessoa e até mesmo se irritar e age como se fosse a vítima inocente perante qualquer reclamação de seu parceiro, por mais razoável que seja. Às vezes, pode ser que você tenha uma boa explicação para ter agido assim, como é o caso do exemplo. O problema não é o que acontece, mas como reagimos perante as indagações de seu parceiro. Mas sempre pode reconhecer a sua parte de culpa, pedir desculpas e explicar o que aconteceu como um modo de informar ao seu parceiro o que passou, e não como uma desculpa, nem utilizá-lo para culpar a outra pessoa que tinha acontecido.

  • Descontrole emocional.

Implica se retirar da interação com o seu parceiro, deixar de responder, deixar de ouvi-lo, olhar para o outro lado e levantar um muro entre ambos. Em vez de enfrentar o problema, recorre-se a manobras evasivas como dar uma volta, desligar-se da interação, agir como se estivesse ocupado ou participar em comportamentos obsessivos. Costuma aparecer quando já há muito tempo que os outros três comportamentos foram instalados na relação e é bastante para ela precisar fugir deste modo. Mas uma vez que aparece, pode tornar-se um hábito que impede de resolver os problemas.

Quando a interação com o seu parceiro chegou a um ponto em que precisa recorrer ao controle da situação, é preferível que você diga que precisa parar um pouco, porque você se sente muito sobrecarregado e passe meia hora fazendo algo relaxante, como ler ou ouvir música, sem pensar em discussão. Se depois continuar a conversa, ambos ficarão mais relaxados e a interação será mais positiva.

→ 8 ‘Pecados’ Que Você Deve Evitar Em Seu Relacionamento

Se quiser manter uma boa relação com o seu amor, evite a todo custo os seguintes ‘pecados’ que podem danificar o seu relacionamento profundamente.

Para Stacy Kaiser, psicoterapeuta, especialista em relações humanas e autora do livro “Como Ser um Adulto”, todas as problemáticas de casal está resumido em oito ações.

“Toda relação de casal, importante ou de longo prazo, abrange centenas de problemas, algumas superficiais e de fácil detecção, e outras profundamente escondidas e nunca expressas em voz alta”, afirma em um artigo do USA Today.

“Mesmo que, no segundo caso, para mim, como especialista é fácil de ver, ao passar o tempo com um casal, que talvez você tenha em um dos grandes problemas das relações e que parece não poder encontrar a saída”, diz.

OS 8 PECADOS

  • Pecado 1: Não falar sobre o que te agrada

O primeiro dos oito “pecados” da relação de casal é cobrir os problemas e joga-los para debaixo do tapete.

“Muitas questões se veem ignoradas, passadas por alto ou enterradas pelo desgaste diário do trabalho, difícil de educar as crianças que não deixa tempo para a conversa, ou porque um cônjuge tem medo da confrontação”, diz Kaiser.

“No entanto, deixar de lado os problemas só faz com que se acumule uma grande bola de neve… e com isso você tropeçará mais tarde. Só poderá tirar a volta a esse crítico monte durante um tempo, porque em algum momento um de você ou os dois vão explodir”.

“Se é importante, você tem que encontrar tempo para abordar de imediato e de uma forma tranquila. Não há que esperar para finalmente explodir os meses ou anos de raiva reprimida. Há que saber lidar com o conflito quando este se apresentar”, recomenda.

  • Pecado 2: Não ouvir o outro

Uma queixa muito comum que os especialistas quando atendem casais é que o seu parceiro não o escuta.

Há que se remontar quando eram noivos: Você lembras quando cada palavra que saía da boca de seu namorado era fascinante? Você se lembra como se apressava de vontade de chamar para ouvir o que ele pensava sobre qualquer coisa?

Você está distraído por causa da casa, as crianças ou o trabalho?

Você já se cansou de ouvir seu parceiro reclamar eternamente sobre o trabalho sem fazer nada a respeito e se desconectar dele?

Uma vez que compreendam por que um ou outro já não escuta, é possível mergulhar em problemas mais profundos.

No entanto, qualquer problema será quase impossível de corrigir, a menos que ambas as partes preste atenção.

  • Pecado 3: Manter expectativas pouco razoáveis

As expectativas pouco razoáveis são exatamente isso, pouco razoáveis. E podem ocorrer em quase qualquer ponto em uma relação.

Muitos homens e mulheres se mantém sobre a instituição do casamento, e rapidamente tornam-se desiludido do parceiro uma vez que são casados.

Essa dupla vai no que diz respeito à criação dos filhos, quando a falta de sono, o estresse e a pressão econômica causam conflitos em quase todos os casais do mundo.

A lista de áreas onde as pessoas tem expectativas pouco realistas é interminável: como se deve olhar para o seu parceiro, o emprego, que deverá ter, quanto dinheiro deve ganhar e assim por diante.

Quando falo com os casais, incentivo a cada pessoa que me diga o que você quer ou espera em certas áreas de conflito, que são especialmente caldeadas, então, podemos analisar se as expectativas são razoáveis ou não, ou mesmo se são possíveis de alcançar.

  • Pecado 4: Culpar o outro

Se recusar a aceitar a sua parte na separação de qualquer relacionamento, geralmente se manifesta através de colocar a culpa no outro ou apontar com o dedo.

Muito pouca as pessoas que gostam de pedir desculpas e admitir que eles poderiam ter feito diferente em certas coisas.

No entanto, para algumas pessoas extremamente defensivas, isso não só é difícil, é impossível.

Por alguma razão na sua infância, de um relacionamento anterior em que se sentiram impotentes ou o orgulhoso. Alguns homens e mulheres simplesmente não podem admitir que talvez tenham contribuído para os problemas na relação.

Todos a viram: “ele foi o que começou!”, “eu não agi mal, foi ela que falhou!”… Levam sempre em conta as falhas do outro e, obviamente, a culpa nunca é deles.

Nestes casos, você tem que tentar mostrar ao parceiro “vigilante” que se trata de salvar a relação, não de trazer a conta, e que ninguém é perfeito, nem precisa ser.

  • Pecado 5: Viver no passado

Tem que falar o que está acontecendo agora.

Trazer à tona os assuntos ou problemas do passado uma única vez pode ser útil para estabelecer um histórico da relação.

Se queixar de uma e outra vez dos eventos do passado só serve para reduzir o problema atual, o que deixa a outra pessoa, cansado, oprimido e disposta a deixar de prestar atenção à queixa atual.

  • Pecado 6: Falta de respeito

Um estudo muito popular, mostrou de forma conclusiva que a falta de respeito um com o outro destrói a relação de casal.

A maioria das relações que vejo que terminam em separação por este elemento.

Você pode aprender estratégias para uma comunicação melhor e mais dinâmica, mas a verdadeira pergunta é: por que se casar com alguém que não vai respeitar?

Você pode utilizar ferramentas ou aprender novas técnicas para aumentar o nível de respeito com o seu parceiro. Trate seu parceiro como você gosta de ser tratado e mantenha seus sentimentos e pensamentos em alta estima.

  • Pecado 7: Ter desconfiança

Os alicerces para toda relação sólida se baseia na confiança. Nas relações de casal, não há nada melhor como a honestidade.

Isso significa ser sincero na relação;

Infelizmente, nós crescemos em famílias onde a confiança entre os pais estava fraturada e esta história pode nos levar a um caminho semelhante na relação de casal.

  • Pecado 8: Ser egoísta

Se você precisa que o mundo gire em torno de você, então talvez seja preciso viver sozinha e sair com a maior quantidade de pessoas que você possa contratar ou uma equipe de pessoas para atender todas as suas necessidades.

As relações têm a ver com dar e receber. Você deve querer que seu parceiro esteja tão feliz e contente como você está.

É natural que você quer as coisas à sua maneira: a festa de seu aniversário, férias ou uma refeição em especial, por dizer.

Mas se você não pergunta a seu parceiro o que quer e o que precisa, e não te esforças por fornecer muitas dessas coisas, então se aproximam conflitos, ressentimentos e a probabilidade de que ele não queira se esforçar para lhe dar o que você quer e precisa é grande.

→ Estes São os 10 Segredos dos Casais Felizes

Diversos estudos tentaram determinar o que fazem os casais felizes, em comparação com aquelas que fracassam. Mas, finalmente, podem resumir-se em um conceito: centrar-se no outro.

Quando se trata de se relacionar com outros seres humanos, quase sempre pensamos que estamos fazendo bem. Depois de tudo, é uma dessas coisas instintivas, que temos vindo a fazer ao longo da vida. A tal ponto nós estamos convictos da nossa capacidade, que costumamos atribuir os problemas nas relações familiares, de trabalho, de amizade ou de casal, com problemas na personalidade do outro. Muito raramente nos damos conta de quanto impacta a nossa própria maneira de fazer as coisas, as relações que temos. E mais ainda, quanto impacta todo o que deixamos de fazer.

Pois bem, em nenhum outro contexto: isto é tão patente, como na vida de casal. Afinal, trata-se de viver o resto de nossas vidas com a mesma pessoa, vendo-a diariamente e passando com ela sucessos e fracassos, alegrias e frustrações. Não é de admirar, então, que a busca da “fórmula perfeita” para ter um relacionamento feliz e duradouro, tenha acompanhado toda a história humana.

A CIÊNCIA ENTRA NO DEBATE

Oceanos de tinta tem corrido quanto o que caracteriza os casais felizes e não são poucos os estudos que têm procurado quantificar. Pois bem, os fabricantes de aplicação de celulares Happify, que promete ajudá-lo a ser mais feliz através de jogos e atividades, criaram um infográfico que resume 12 estudos e textos de especialistas, com os segredos que caracterizam os casais felizes.

A principal conclusão é que o fator determinante na felicidade de um casal é o seu nível de AMIZADE. Este fator, por si só, influencia 70% na qualidade do sexo, romance e paixão de um casal. Além disso, verificou-se que, como era de se esperar, os casais felizes têm mais interações positivas que negativas (5 a 1), a diferença de casais que terminam em divórcio, a relação é de 0,8 a 1. E não se trata de qualidade, também de quantidade: em média, os casais de sucesso passam 5 horas a mais por semana juntos e conversando.

Como os Casais Felizes?

Claro, uma coisa é saber que você tem que ser bom, mas outra muito diferente é ser. Daniel Wallen escreveu, no LifeHacker, uma coluna chamada 15 coisas que fazem diferente casais felizes, que complementa muito bem as sugestões da infografia de Happify.

Assim que, organizando e classificando as peças jornalísticas, eis o que os casais felizes fazem de diferente:

  • 1. Se comunicam

A pedra angular de toda a relação humana é a comunicação. E por comunicação, não nos referimos ao incessante fluxo de consciência que caracteriza muitos casais, onde uma parte (geralmente a mulher) fala todo o dia, enquanto o homem finge ouvir enquanto vê o futebol.

Comunicar implica tanto ou mais a capacidade de ouvir, de falar. Isso quer dizer que, por exemplo, antes de começar a narrar o seu horrível dia, o casal faz uma pausa para abraçar o seu parceiro, se beijam e perguntam como foi o seu dia.

  • 2. Enfrentam os problemas a tempo

Muito em linha com o anterior, os casais sólidos que não se guardam os problemas e frustrações nem esperam que a vida se torne insuportável antes de abordar seus problemas. Pelo contrário, tendem a fornecê-los, apenas acontecem. Fazem saber a seu parceiro que há algo que está afetando.

Mas, além disso, o fazem de maneira saudável, sem críticas, ataques ou ironias. Pelo contrário, expressam o que sentem e estão abertos para ouvir, dialogar e ceder. “Isso me afetou porque eu me senti…”

Por último, também não guardam rancor. Entendem que seu parceiro é humana e que, por muito que lhes tenha ferido algo que ela fez ou disse, durante um momento de stress ou cansaço, não queriam realmente feri-los. Se você se surpreende errado procurando a oportunidade de vingar-se de seu parceiro por algo que fez, questione-se seriamente se você está enfrentando seu relacionamento com maturidade.

  • 3. Se expressam carinho… Tudo a seu tempo!

Para os homens é particularmente difícil entender por que suas mulheres lhes perguntam constantemente “você Me quer?”. Pois bem meninos, a razão é muito simples: porque não está dizendo o suficiente. Como uma planta requer irrigação freqüente, em uma relação de casal não basta dizer “eu te amo” e fazer algo romântico no dia do aniversário, para depois esquecer-se de fazer isso pelo resto do ano.

Os casais saudáveis se expressam todo o tipo de gestos de carinho frequentemente: Se dizem “eu te amo” quase compulsivamente, se bajulam, se vêem coisas, surpreendem suas casais com pequenos atos de carinho (preparar uma comida ou lavar os pratos, quando não era a sua vez.

Em suma, se esforçam por fazer que o seu parceiro se sentir bem, se sentir feliz e amada. Quando foi a última vez que você disse a seu companheiro que parece espetacular?

  • 4. Se apoiam e potenciam-se mutuamente

Nas boas e nas más, os casais saudáveis ajudam a crescer mutuamente.

Quando um se sente triste ou derrotado, o outro o motiva. Quando se inicia um novo desafio, o outro o apóia, acompanha e lhe mostra admiração. E quando finalmente recebe um grande realização (ou até mesmo um pequeno), o outro se entusiasma, o parabeniza, diz-lhe o quanto o admira e lhe pede que conte tudo o que aconteceu.

Demais está dizer que também ajudam nas coisas mundanas, como dividir os afazeres do lar ou apoiar-se no cuidado dos filhos.

Não é raro que os casais felizes, muitas vezes falar de “o quanto mudou e melhorou” em companhia um do outro. Você acha que você melhorado junto com o seu parceiro?

  • 5. Sabem ceder

Um não sempre consegue tudo o que quer. Uma relação em que apenas um membro deverá ceder permanentemente, o que quer o outro, não é uma relação saudável. Ambos devem conceder uma coisa: se vocês viram o filme que queria, comerão os lanches que prefere o outro e assim por diante.

  • 6. Eles passam o tempo e as aventuras juntos

Os casais saudáveis sabem que a sua relação é uma prioridade, não importa o quão ocupados estejam. Por isso, farão o impossível para limpar tempo para estar juntos.

Além disso, para evitar a monotonia, procuram atividades que possam fazer juntos: aulas de dança ou de cozinha, refeições a lugares novos, viajar, sair para caminhar, vão a um concerto.

  • 7. Sabem dar espaço e não são ciumentos

Lembram-se que comparamos a uma relação com uma planta? Pois bem, assim como uma planta seca, se não se lhe dá água suficiente seguido, também se morre, se colocamos água em excesso.

Embora sejam felizes juntos, não são completamente dependentes um do outro, nem exigem companhia permanente, afinal não há melhor receita para odiar alguém que estar com ele em todos os momentos.

Por isso mesmo, se alguém quiser procurar por uma paixão que o outro não compartilha, sair com seus amigos ou amigas, ou simplesmente sentar-se a ler em silêncio, o outro aproveita essa oportunidade para desfrutar das suas próprias paixões pessoais.

  • 8. Riem juntos

É minha impressão que o melhor indicador de que uma relação será bem sucedida, é que ambos sejam capazes de rir juntos de coisas que lhes acontecem. Não se trata de que tenham que ser absolutamente brilhantes ou talentosos, mas que possam ser tomadas problemas com humor, ter algumas piadas internas, que ninguém mais entende, compartilhar histórias, sentir que o outro nos faz feliz.

  • 9. Sabem enfrentar uma diferença de opinião

Até os casais felizes discutem e lutam ocasionalmente, mas é aí onde se apreciam as principais diferenças com os casais disfuncionais.

Em um relacionamento saudável, o casal procura centrar a discussão no problema em particular, mais do que focar no outro. Por isso, jamais usam o verbo “ser” (“você é um egoísta”), mas que expressam o problema como uma situação específica (“senti que não me tomaste em conta”).

Além disso, buscam reduzir a tensão durante a discussão, demonstrando humor (mesmo que não provocações), expressando afeto e a ceder em alguns pontos. “Okey, é verdade isso, mas também leva em conta que…” e, é claro, ouvindo o que diz o outro.

No entanto, em que os casais disfuncionais abundam as críticas, a agressividade, o desprezo, as atitudes defensivas, os insultos e, ainda pior, ignorar a discussão.

  • 10. Na cama

Muitos tendem a concentrar-se no sexo a felicidade de um casal, mas como vimos, existem muitos fatores que incidem sobre ela. De fato, se o casal faz todas as coisas referidas antes, o resultado final é quase inevitável, vai entrar para a cama.

Infográfico centra-se na quantidade de sexo (recomendável fazer isso 3 vezes por semana, mas diz que uma vez já gera um aumento na satisfação do casal), mas a qualidade do mesmo é tão ou mais importante. Preparar o ambiente e ajudar uns aos outros, expressando o que se busca, é a receita para uma relação sentimental e sexual satisfatória. Mas isso, os casais felizes sabem que…

→ 15 Problemas Típicos de Casais, Dicas de Como Resolver

Os casais entram em crise frequentemente por uma série de problemas típicos que sobrevêm à convivência. A vida de casal leva consigo enfrentar muitos temas: trabalho, relações com terceiros, família, altos e baixos, dinheiro, etc., etc., Muitos casais enfrentam e superam esses problemas, outros não. Aqui apresentamos alguns dos problemas mais frequentes.

Problemas, problemas… soluções, soluções. Todos os casais enfrentam problemas e quase todos os problemas têm solução. O importante é manter a fé de que vale a pena lutar por isso. É importante identificar e resolver os problemas corretamente e sair fortalecidos uma vez que nós sobrevivemos. Vamos comentar alguns desses problemas (sua ordem não indica relação de importância).

COMO RESOLVER PROBLEMAS TÍPICOS DE CASAIS?

  • 1. Trabalho.

Muitos casais trabalham em locais diferentes. Mais de oito horas fora de casa, cinco dias por semana. Todo um mundo de sensações, estados de espírito, tensões, experiências, relações com terceiros… Muitos dias acontece que o rosto de volta para casa é muito diferente do que tinha ao acordar ao calor do lar. Muitas horas, muita vida sem compartilhar. Só a comunicação, a sinceridade, a confiança e a capacidade de suporte não permitirão que a ausência de trabalho se torne um problema.

  • 2. Viagens, ausências, distância.

Também o trabalho ou outras razões podem impor viagens, distância e ausências prolongadas de por meio. O casal se vê privado de poder reafirmar seu compromisso diariamente à volta do trabalho. É um “mais difícil ainda”. A solução deve passar por uma maior comunicação (chamadas de telefone, falar muito, apoiar em contínuos detalhes, atenção…) e, sobretudo, mais sinceridade, confiança e apoio. O casal tem que fazer um esforço para compartilhar o que acontece fora do lar: as aspirações, as frustrações, os sucessos, os aborrecimentos, etc.

  • 3. Família.

Pais, os pais dele, irmãos, cunhados… tem Muita atividade familiar? O excedente?. A família pode ser uma fonte de maravilhosas e lindas relações, mas também de distorções. Os problemas surgem quando a atividade familiar afeta a vida do casal com intromissões, interferências, preocupações, problemas, etc., A família implica uma prova de fogo para o casal, que terá de assumir decisões e responsabilidades.

  • 4. Filhos.

Os filhos contribuem de forma decisiva para o fortalecimento da vida de um casal com sentimentos e responsabilidades que o tornam mais sólida de uma relação. Mas nem sempre acontece assim. Especialmente se não há igualdade, co-responsabilidade, a convergência dos pontos de vista, cumplicidade na hora de criar, tratar e educar os filhos.

  • 5. Desconfiança.

A confiança é um pilar fundamental da vida do casal. Se não há confiança, muitos problemas serão incobráveis na vida em comum. Um dos problemas mais típicos da falta de confiança são os ciúmes. Mas não é o único. A desconfiança pode provocar atitudes humilhantes para o casal, além disso, contribui para promover uma imagem negativa, a falta de auto-estima, etc., A desconfiança enfraquece o apoio, a comunicação e o comprometimento que são outros dois pilares importantíssimos para a longa vida do casal.

  • 6. Apoio.

Apoio sem reservas, essa é a receita. A falta de apoio cria um sentimento negativo de frustração, de pensar que “o outro” falhou. A atitude solidária deve ser uma das funções vitais do casal.

  • 7. Infidelidade.

Hoje em dia parece que a infidelidade tem um valor baixo. No entanto, também hoje em dia batem recordes a cada ano em separações de casais. Recentemente, o instituto nacional de estatística, listou que os casais que haviam se separado, após seu primeiro ano de casamento, teve um aumento de 325% em apenas doze meses.

Uma coisa é que se tomem atitudes liberais e permissivas, e outra muito diferente é que, na prática, se aprecia e se conviva bem com a infidelidade. Se você quiser destruir um casal, seja infiel, ou até mesmo basta tomar atitudes equívocas: excessiva bondade, confiança ou de confidencialidade com terceiros… Alguns casais não reconhecem que estas coisas lhes fazem mal, acumulam e vão gerando desconfiança, negatividade, introversão, falta de comunicação… O casal, na prática, costuma ser exigente e absorvente e não admiti que pode levar a relação por algumas passagens cheias de turbulências e de riscos.

  • 8. Sexo.

Talvez possam existir casais felizes sem que o sexo tenha protagonismo. Não cairemos na tentação de superdimensionar o sexo. O casal evolui no tempo e com isso a própria relação sexual. No entanto, uma relação sexual, viva, criativa, intensa, vibrante… será um magnífico “seguro” para suportar e lidar com outro tipo de problemas (familiares, laborais, etc.). Então se você quer um bom conselho para superar problemas aqui vai: Faça com que a sua vida sexual faça reviver o entusiasmo e o interesse mútuo, que é uma forma de transmitir harmonia, desejo, amor e selar de forma cúmplice, a união que define o próprio casal. Faça o amor, não a guerra. Se falta de um sexo bom, talvez tenha sido deixado de lado um bom aliado para a saúde do casal e para a solução de muitos de seus problemas.

  • 9. A Casa.

Um espaço para dois… ou mais. Em casa, passam-se muitas horas, se trabalha nas tarefas do lar, assistem a Tv, usam os mesmos roupões de banho, ouçam música… Para a casa, comprar móveis, pedem empréstimos, hipotecas, etc., Cada pessoa faz uso deste espaço que é a casa de acordo com sua educação e a sua cultura.

Alguns não se importam com os cheiros, outros são muito sensíveis a estes e não os suportam, a um lhe agrada a desordem, a outro o irrita, os maníacos da limpeza até mesmo criam problemas de asma, outros passam por ela. Há aqueles que querem deixar uma luz acesa durante a noite, outros não podem dormir com a luz. Não vamos dizer o que pretendem dormir no inverno, com as janelas abertas, enquanto que o seu companheiro se revela pelo frio e os frequentes constipados. Até mesmo colocar a mesa ou lavar as mãos antes de sentar-se a ela, pode ser objeto de controvérsia.

Todas essas diferenças podem ser extenuantes na vida do casal. Alguns fazem e com flexibilidade chegam a agradar a ambas as partes, outros recorrem ao sexo e na cama esquecem as diferenças domésticas… Até o ponto que, se a discussão era pintar um quarto de vermelho ou amarelo, ao final, é pintada de laranja. Não digo que, às vezes, se vivem com outros familiares (sogros, irmãos (…) E a situação agrava-se, nestes casos, a casa pode se transformar em uma importante fonte de problemas. Como resolvê-los? Às vezes, a resposta está na compreensão, outras vezes em tecnologia ou em mudar de casa, Por que não? Melhor do que mudar de parceiro.

  • 10. Amizades.

O casal deve manter uma política única de amizades. Uma fonte de problemas são as amizades, as amizades do outro. O problema pode ser idiota, mas não tanto, se o casal vai notando como as confidências entre os amigos de um e de outro superam a comunicação do casal, algo que é aconselhável que não aconteça nunca. Na prática, o casal deve redefinir o conceito de amizade, aqueles casais que não o fazem, têm nesse ponto uma fonte de distorções que devem ser superados com a comunicação, a confiança, a fidelidade.

  • 11. Manias, Gostos, Hobbies Diferentes.

Há anos, as mulheres se dedicavam a bordar e fazer tarefas da casa e os maridos iam ao bar jogar sinuca ou assistir futebol. Hoje em dia isso não é tão extremo e, talvez, o tema se reduza a uma discussão sobre quem fica com o controle remoto da TV. Se é só isso, talvez, seja muito fácil superar. Mas o que acontece quando um quer as férias em uma praia em massa e outro, uma casa rural? Ou se alguém quiser jogar golfe, e o outro, montar a cavalo, um prefere ir a um restaurante francês o outro, para um Thaití, um gosta de se divertir e o outro ir às compras, etc. O tema é complicado, e terá que contar com outros ativos. Um bom sexo, compreensão, empatia, flexibilidade hoje tu, amanhã eu.

  • 12. Falta de Igualdade nas Tarefas do Lar.

Muitos casais costumam carregar muito desigualmente as tarefas do lar. Se, por exemplo, um trabalha fora e o outro não, a conclusão é que o segundo deveria apressar em maior medida as tarefas do lar. Isso é um contra-senso, uma vez que a diferença se torna ainda maior. Não só não se compartilha grande parte do tempo quando se está fora, mas em casa também não se partilham tarefas que podem servir de desculpa para se aproximar, dialogar, em síntese, estar mais juntos.

O sentimento de proximidade, de solidariedade, de apoio, é muito importante para o casal, e deve ser feito tudo o que sirva para estimular. Fazer o jantar juntos, colocar juntos os pratos na máquina de lavar louça, acender a lareira, rever o que foi o dia antes de ir para a cama, para compartilhar as obrigações do dia seguinte… Todas essas coisas são muito saudáveis para o casal.

  • 13. Inflexibilidade

A falta de flexibilidade e de compreensão é outra fonte de problemas. A vida em comum exige empatia e da adoção de posturas, de acordo com a situação que se vive em cada momento. As posturas inflexíveis no tempo fomentam outras rigidez e intolerâncias, fomentando a negatividade.

  • 14. Negatividade.

Pensar negativo é um estado mental que é demolidor para uma pessoa. Começa criticando a uma vizinha e, após isso segue com amigos, familiares. Ao final, a negatividade vem para o casal e para nós mesmos. A falta de auto-estima é um perigo para a relação do casal. A insegurança pode resultar em desconfiança e falta de apoio.

  • 15. Tédio.

Alguns casais são submetidos em sua relação a rotinas ou cargas tão previsíveis que levam a um tédio rotineiro. Isso faz mal para o casal.

→ 7 Segredos Para Cuidar do Amor

O amor. Todos os casamentos têm lutas e podem surgir em qualquer momento. O fundamental é aprender a supera-las de forma que não ameacem a sua relação. Não importa quanto tempo leve de casado, existem regras simples e básicas para percorrer o caminho. Colocá-las em prática nem sempre é fácil, mas é vital. Se as seguir, vai fortalecer seu vínculo… e verá que as coisas boas, diversão, sexo, confiança, afeto…se darão melhor do que nunca.

7 SEGREDOS PARA CUIDAR DO AMOR

  • 1-Encontre um equilíbrio

O tédio, a frustração e as fricções diárias podem extinguir a chama do amor. Para alimentá-lo, concentre-se nas coisas boas. Mas, como? Primeiro, tenha em mente que precisa de até 20 comentários positivos para neutralizar o dano feito por um negativo (ou por um olhar frio ou um gesto de impaciência). Assim, usa-se mais os primeiros e menos os segundos. Lisonjeia a camisa nova do seu marido, agradeça a ajuda dele nos serviços de casa, por exemplo. Faça contato visual quando sorrir ou diga algo bom, e trata-se de acompanhá-lo com um som de alegria (por exemplo, um suspiro de satisfação).

  • 2-Mantenha a proximidade

O toque humano libera endorfinas, que fazem você se sentir bem a quem dá e a quem recebe. Então, atire as mãos com maior frequência. Acaricia seu rosto quando dar os bons dias. Reviva a forma em que se tocavam no início da relação: dê um beijo atrás da orelha, passe a mão pelo cabelo.
Guarda os seus segredos, embora no escritório todos tenham os seus parceiros.
Façam o compromisso de conversar 30 minutos por dia sobre seus planos diários, metas e sonhos. Não vale falar de coisas da casa, nem de sua relação. Trata-se de construir uma amizade. Os estudos mostram que ser amigos tem recompensas, pois garante uma união mais meiga e sensual. E não se esqueça de encontrar tempo para a intimidade, mesmo que tenha que anotar na sua agenda. Como programar o sexo? Se for necessário, sim. Ser espontâneo é bom, mas nem sempre é possível.

  • 3-Lembre-se: ninguém é perfeito

É tentador culpar o cônjuge quando você se sente irritada, desiludida, aborrecida ou pressionada, é fácil acreditar que seu parceiro deve se transformar para melhorar as coisas.

Cuidado: tentar mudar o outro deve colocá-lo na defensiva e se tornará mau do filme. O resultado? Ninguém muda, ninguém assume a responsabilidade, todos serão infelizes. E culpar seu cônjuge significa ignorar a 90 por cento de tudo de bom que você tem.

Todos os dias deste mês, escolha algo que você gosta dele: “Meu marido é considerado”, ou “Meu marido me faz rir” e pensa em fatos específicos que justifiquem: “Ele lavou o carro ontem” ou “Se eu estou triste, me anima com seu bom humor”.

  • 4-Mantém a faísca de sua relação

Você costumava preocupar-se muito com seu cabelo, procurava sempre a peça mais sensual para chamar a atenção de seu parceiro, e agora sabe bem com calças velhas e uma camiseta desbotada para dormir. É hora de melhorar sua aparência. Penteia esse cabelo, lave os dentes e compre uma lingerie nova. Sentir-se confortável com sua aparência ele observará em seu olhar. É mais provável que você faça contato visual, e isso acende a faísca para o seu cônjuge. E você já sabe o que fazer depois!

  • 5-Sempre luta limpo

A primeira coisa é deixar a crítica, o confronto e a hostilidade, que só adicionam a lenha para o fogo. Pesquisadores da Universidade da Califórnia, que estudaram a 79 casais durante mais de uma década descobriram que aqueles que se divorciaram logo, lutou uma luta longa e escandalosa, e estavam sempre na defensiva ou prontos para atacar. Pelo contrário, os casais felizes evitam a verbalizar os pensamentos críticos, impedem que as discussões saiam do controle, e não usam palavras como “nunca” e “sempre”. Se tem uma luta, muda o tema, injeta um pouco de humor no momento, mostre ao seu cônjuge empatia ou passe um gesto especialmente afetuoso. Se é tarde para isso, pede uma trégua, afaste-se e tente se recompor.

  • 6-Escolha o melhor momento e lugar

Não começar uma conversa que possa se tornar uma discussão quando estão cansados ou com fome. Nunca tente discutir questões conjugais importantes se você estiver ocupado com outra coisa. Desligue a televisão ou o computador, pegue o telefone e feche o livro. Se está distraído ou a ponto de sair, escolha outro momento para falar. Os conflitos não se resolvem as esperma.

Os estudos mostram que as crianças se desenvolvem melhor (e aprendem a conviver com os outros) quando seus pais resolvem os conflitos de forma construtiva, mas desenvolvem inseguranças e problemas de conduta se passam ouvindo gritos.

  • 7-Ouça

O melhor para manter um casamento sólido é falar menos e ouvir mais. As culpas, os insultos e as lutas só levam a um final ruim ou, pelo menos, a um inferno em vida. Se uma conversa se torna uma discussão, não interrompa, oferece uma solução. Os sentimentos à flor da pele precisam ser expostos. Senta com a cabeça, reafirma o que você expresse a seu parceiro ou dê um suave “a-ha” para demonstrar que toma em conta as emoções por trás das palavras. Às vezes, tudo o que precisamos para nos sentirmos mais perto de alguém é prestar mais atenção ao que diz.